• Reduza a prestação da sua casa

    Apesar de o custo de vida ter subido nos últimos anos, hoje em dia já não há motivos para que não se recorra a alternativas que facilitem e melhorem o nível de vida, ou simplesmente aliviem os encargos económicos. E, como no caso dos portugueses, os empréstimos para aquisição de habitação são uma das mais elevadas facturas a pagar todos os meses, nada melhor do que receber alguns conselhos que permitem fazer com que a prestação da sua casa baixe. Por isso, leia atentamente as quatro dicas que explicamos em seguida e dê uma folga extra ao seu orçamento mensal. Aumente o prazo do empréstimo à habitação, renegociando novos limites para obter prestações mais baixas. Tente elevar o seu contrato para os 50 anos de idade, ou até mesmo para os 80 (limite máximo possível), tendo naturalmente em conta que ao fazer esta alteração pagará um menor valor mensal, mas […]

     
  • Transferência do crédito à habitação: vale a pena?

    A concorrência entre bancos e entidades credoras tem criado algumas vantagens para os clientes, na maioria das vezes, da concorrência. Isto porque são cada vez mais as vantagens oferecidas na troca de entidade, tanto a nível de contas em si, como de créditos, além de um sem número de outras operações possíveis. Dos novos câmbios, a transferência de crédito à habitação é uma das últimas “modas” entre os portugueses, mas nem sempre compensa, tudo depende das contrapartidas apresentadas. Por isso, colocamos agora lado-a-lado os essenciais prós e os contras de alterar a entidade gestora do seu crédito à habitação. No final, cabe-lhe a si pesar as propostas e contra-propostas e decidir se as mais-valias que possam advir da mudança lhe são compensadoras. Vantagens Spread mais baixo. A descida do spread a pagar à nova entidade bancária é uma das medidas mais populares neste tipo de operações. Um mínima diferença pode […]

     
  • Aliviar a prestação da casa em tempo de crise

    Com a situação económica actual e a descida das taxas de juro que servem de indexantes aos créditos à habitação de taxa variável, as prestações mensais têm descido de forma considerável. Embora seja uma boa notícia para muitas famílias que viram o seu orçamento menos pressionado, assim como a taxa de esforço, existem mais opções de redução da prestação mensal do empréstimo que o cliente paga ao seu banco. Alargamento do prazo Se o cliente considera mais importante ter uma maior poupança no presente, alargar o prazo do seu empréstimo pode ser a solução. Desde Julho de 2008 que os prazos dos empréstimos podem ir até aos 50 anos com idade máxima de 80 anos do mutuário mais velho. Contudo, ao poupar agora o cliente tem que assumir que vai gastar mais no futuro, já que pagará mais juros decorrentes dessa sua dívida. Período de carência Nesta situação, o cliente […]

     
  • Prestação do crédito Habitação

    Actualmente, quase todos os empréstimos à habitação no mercado amortizam-se mediante prestações mensais constantes que incluem capital e juros. Isto quer dizer que cada prestação serve para cobrir, por um lado, uma parcela de capital que pediu emprestado e, por outro lado, juros do empréstimo. Nos empréstimos a taxa variável, cada vez que se realiza uma revisão, calcula-se uma nova prestação constante que será aquela que pagará até à próxima revisão. Deverá optar por um prazo que lhe permita suportar uma prestação adequada à sua capacidade financeira. Normalmente, recomenda-se que a prestação mensal não supere 35% dos seus rendimentos mensais líquidos. Os bancos oferecem actualmente diversos produtos para facilitar o acesso ao crédito e facilitar o pagamento das prestações em determinada fase do prazo em que dura o empréstimo. Prestação Indexada com Redução, prestação mínima, prestação suave, podem ser os nomes dados a alguns produtos pelas instituições financeiras. Existem várias […]