• Famílias estão com mais dificuldades para pagar casas

    O crédito de cobrança duvidosa nos empréstimos à habitação bateu um novo recorde em Fevereiro, atingindo o novo máximo histórico de 2.446 milhões de euros, segundo dados do Banco de Portugal. Depois de ter descido em Dezembro, o crédito malparado na habitação voltou a subir em Fevereiro pelo segundo mês consecutivo, ao chegar aos 2.446 milhões de euros, mais 0,74% face a Janeiro e mais 7,85% em relação há um ano atrás. O crédito nos empréstimos à habitação representa quase metade (47%) dos montantes de cobrança duvidosa, que em Fevereiro se fixou nos 5.191 milhões de euros. Também subiu o malparado no crédito ao consumo (para 1.414 milhões de euros) e a outros fins (para 1.332 milhões de euros), em ambos os casos ainda abaixo dos recordes a que chegaram o ano passado. O malparado total aumentou em Fevereiro em termos mensais, mas ainda assim está abaixo do máximo de […]

     
  • Crédito malparado na habitação atinge novo máximo

    Os créditos de cobrança duvidosa nos empréstimos à habitação voltaram a subir em Janeiro, depois de terem recuado em Dezembro, atingindo um novo máximo histórico de 2.428 milhões de euros, segundo dados do Banco de Portugal (BdP). O crédito malparado nos empréstimos à habitação representa a maior fatia dos montantes que os particulares devem à banca e tem mantido uma tendência de subida, apesar do ligeiro abrandamento verificado em Dezembro, quando se fixou nos 2.398 milhões de euros (2.417 em Novembro). Em Janeiro de 2013, os créditos de cobrança duvidosa nos empréstimos à habitação tinham-se fixado nos 2.258 milhões de euros. Em termos globais, o crédito malparado dos particulares subiu para os 5.137 milhões de euros (dos 5.101 milhões de euros de Dezembro). No total, os empréstimos da banca a particulares totalizavam os 127.589 milhões de euros em Janeiro, dos quais 105.426 milhões são referentes a empréstimos concedidos para a […]

     
  • Prestação da casa aumenta em Março

    As prestações do crédito à habitação que forem revistas em março vão aumentar, tanto para contratos indexados à taxa Euribor a três meses como a seis meses, segundo os cálculos da Deco. As famílias que têm empréstimos indexados à Euribor a seis meses (o principal indexante nos créditos à habitação em Portugal), sentirão um aumento do encargo com a prestação que têm de pagar ao banco. Num empréstimo à habitação no valor de 150 mil euros a 30 anos indexado com um spread (margem de lucro do banco) de 1% e Euribor a seis meses, a prestação vai subir 3,21 euros em relação à data da última revisão, em setembro, para 509,59 euros. Já se as condições do crédito forem as mesmas, mas o contrato tiver referência a Euribor a três meses, o aumento será de 4,58 euros, para 502,56 euros. A média das taxas Euribor fixou-se, em fevereiro, 0,288% […]

     
  • Crédito Habitação com valor residual

    Já abordamos aqui em que consiste o Valor Residual. O Valor Residual corresponde a uma percentagem do financiamento que será paga no termo do contrato. Quanto maior for a percentagem, menor é a prestação do empréstimo, mas maior será o valor a pagar no final do empréstimo. Ao escolher esta modalidade beneficia de uma prestação mais baixa durante todo o empréstimo, amortizando até 30% do capital no final do prazo. Valor Residual entre 10% e 30%, pago no final do empréstimo, em simultâneo com a última prestação, permitindo desta forma reduzir as prestações durante todo o crédito. Varios bancos disponibilizam créditos habitação com diferentes opções e serviços incluídos. Aconselhamos por isso a que faça simulações e se informe junto do seu banco.

     
  • RE/MAX põe em saldo 3.200 imóveis

    A nova campanha de saldos da RE/MAX tem início no próximo sábado, dia 28 de Dezembro, e abrange mais de 3.200 imóveis, com descontos até 75% e com preços entre os 13 mil euros e os 2 milhões de euros. Segundo a RE/MAX, entre os imóveis em saldos, 200 são para arrendamento e 431 são da banca. Ainda segundo a imobiliária, dos imóveis alvo de promoções, mais de 1000 são apartamentos (com abatimento médio de 7%), mas também existem cerca de 540 terrenos (com desconto médio de 14%) e mais de 350 espaços comerciais (com redução média de 11%). A maioria das habitações em saldos localizam-se nos concelhos de Lisboa (240), Albufeira (151), Sintra (148), Cascais (112), e Almada (108). Uma casa rústica em Castro Marim, Algarve, e uma moradia para reconstruir em Chaves são os imóveis a preço mais reduzido nesta campanha, estando ambos a ser comercializados por 13 […]

     
 
 
 

Comentários recentes